Português Español English

QUACC

Mostrar items por tag: Recursos Humanos

Em abril, o número de novas oportunidades abertas no mercado de trabalho cresceu 26,46% em relação ao mês anterior, segundo revelam dados do estudo mensal de vagas da Ricardo Xavier Recursos Humanos.

Para o diretor geral da consultoria, João Xavier, os profissionais devem aproveitar o bom momento da economia para aprimorar os conhecimento e se especializarem, visto que a disputa por talentos deve se acirrar cada vez mais.

“Os dados da pesquisa vão ao encontro do atual cenário econômico brasileiro. O mercado está aquecido, mas a falta de mão de obra pode frear o crescimento do país”, diz o executivo.

Destaques

Ainda de acordo com o estudo, a área comercial foi a que mais ofertou vagas aos profissionais, com 13,3% das oportunidades. O setor de engenharia, com 7,9%, está na segunda posição.

Em seguida, aparecem os setores financeiro (5,4%), industrial (5,2%), administrativo (5%),tecnologia da informação (4,6%) e recursos humanos e marketing, 3,8% cada.

As posições foram, em grande parte, abertas pelas companhias nacionais, cujo percentual de novas posições oferecidas atingiu 79,22%. Já as multinacionais ofertaram 20,78% das posições.

No que diz respeito aos profissionais mais demandados, os de engenharia ficaram em primeiro lugar, com 19,18% da procura, seguido pelos profissionais de administração (12,15%), ciências contábeis (5,73%), economia (3,77%), propaganda/ publicidade e marketing (3,65%), direito (2,27%), psicologia (1,54%), análise de sistemas (1,50%) e tecnologia da informação (1,11%).

Localidades

São Paulo (Capital e Grande SP), Campinas (Interior de SP), Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Salvador são as áreas mapeadas pela pesquisa.

Dentre elas, as que mais abriram vagas foram São Paulo (42,28%) e Campinas (17,45%). Na sequência, estão Porto Alegre (12,01%), Salvador (11,01%), Rio de Janeiro (10,96%) e Belo Horizonte (6,29%).

Texto publicado no portal do MSN.

Atração de talentos, disseminação da cultura e do bom ambiente corporativo, atributos do uso das mídias sociais no ambiente dos Recursos Humanos

Atualmente muito se discute sobre a utilização, métricas e real necessidade do uso das mídias sociais. O fato é que atrair fans e disseminar as mensagens da empresa, através de um relacionamento bem construído, deve ser o objetivo principal desta ferramenta de comunicação.

Algumas empresas já estão utilizando a ferramenta para mostrar sua cultura corporativa, postar vagas e criar um canal onde executivos deixam sua mensagem transparente sobre a empresa.

Talvez eu seja um pouco antigo, mas atualmente muitos processos de seleção estão se tornando cada vez mais impessoais, devido as ferramentas online disponíveis. A postagem de vagas online, acaba por gerar uma grande quantidade de candidatos, o que torna a avaliação mais difícil. Isso aliado as barreiras eletrônicas, exclui e uniformiza ainda mais os perfis, em especial com relação aos talentos e aspectos humanos de cada um.

Embora exista essa automação, nas mídias sociais é possível investigar o perfil e ciclo de conexões de profissionais, sem a máscara que cada um cria para sua marca pessoal.

Conversei com Becky Bajan, responsável pelo recrutamento da empresa BrightCove nos EUA. Esta empresa do setor de tecnologia, criou uma página personalizada no Facebook onde além da ferramenta de marketing, posta vagas e depoimentos de seus funcionários. Leia abaixo a entrevista:

1) Qual foi a razão de utilizar o Facebook na estratégia de recrutamento?

“A Brightcove é uma empresa, que possui uma plataforma de vídeo online. Nós queríamos mostrar nosso produto e o Facebook pareceu um locar ótimo para este fim. Em 2010 iniciamos este processo, que foi muito bem sucedido.”

2) Como vocês medem sucesso? Você acredita que a empresa se torna mais atrativa estando no Facebook?

“Bem, nosso objetivo em 2010 era ter 1000 fans no Facebook e em Julho tínhamos pouco mais de 200.  Atualmente temos 1149 (Fev 2011).  Gosto de tratar as mídias sociais como um tipo de “guia de referência rápida” de nosso site. É um ótimo local para candidatos visitarem e aprenderem um pouco mais sobre a cultura, produtos e funcionários atuais. No caso da nossa empresa, que trabalha com tecnologia de ponta, é imperativo ter presença nas mídia sociais.”

3) Qual o impacto no desenvolvimento organizacional, clima interno e processo de recrutamento?

“No momento, ainda estamos descobrindo estes aspectos.  Temos objetivos totalmente novos para 2011 e creio que poderemos medir melhor os resultados neste ano. Acreditamos que poderemos usar esta ferramenta, para aumentar a indicação de funcionários.”

4) Vocês utilizam outras ferramentas de mídias sociais para RH?

“Nossa ênfase em 2010 foi o Facebook.  Em 2011 nos dedicaremos também ao Linked In e Twitter, para postar posições e buscar grandes talentos.”

5) Quais foram os principais desafios para implementar a estratégia de mídias sociais para o RH? Como vocês trabalharam com questões de segurança da informação?

“O primeiro foi de incorporar vídeo na estratégia de recrutamento. Uma vez que decidimos isso, resolvemos focar nossos esforços no Facebook.  O segundo, foi criar a lista de empregos com vídeos no Facebook.  Não tivemos problemas relacionados com a segurança da informação.”

Vale ressaltar que o Facebook já tem mais de 12 milhões de usuários no Brasil e pesquisas apontam uma forte taxa de crescimento. Certamente, profissionais da Geração Y utilizam essas ferramenta em seu dia a dia.

Como podemos observar, este novo meio de comunicação também pode ser utilizado para aumentar a credibilidade de sua empresa junto a seus stakeholders, trazer orgulho e prazer para os que trabalham nela e gerar admiração de seus próximos talentos.

Como você implementaria esta estratégia na sua empresa?

Texto de  Marcelo Fernandes extraído do blog Nora Comunicação.

Há algum tempo, engenharia, principalmente de petróleo e gás, telecomunicações, TI e construção civil figuram como as “carreiras do futuro”, graças ao aquecimento do mercado de trabalho nesses segmentos.

No entanto, outras áreas como RH e marketing, principalmente o varejo e a área comercial, estão ganhando cada vez mais interesse e migrando para o topo da lista de oportunidades.

A prova disso é que, desde que a economia deu sinais de recuperação, há uma intensa movimentação de profissionais no mercado da área de RH. Atraídos por melhores oportunidades, cerca de 30% dos brasileiros pediram demissão entre janeiro e maio deste ano, segundo dados do Ministério do Trabalho. Com esse cenário de aquecimento, algumas empresas passaram a enxergar o RH como peça-chave, sobretudo na missão de atrair e reter talentos.

Consequentemente, os salários para os profissionais do setor também subiram: um cargo de gerente de RH, por exemplo, está entre os mais demandados, com remuneração média mensal de R$ 16.500. O RH deixou de ser visto como aquela área burocrática, chata e metódica da empresa e vem assumindo funções que antes não tinha, como participar ativamente do planejamento estratégico.

Em escolas que oferecem cursos variados de extensão, como finanças, qualidade, logística e distribuição, cerca de 90% dos matriculados estão em busca de cursos voltados para RH. Algumas competências de RH, como gestão de pessoas e avaliação de desempenho, começam a migrar para outras profissões, não ficando necessariamente restritas aos profissionais formados na área. É importante um engenheiro saber lidar com seus funcionários e avaliar como está o desempenho de cada um, e isso justifica toda a demanda que estamos tendo.

As áreas de varejo e comercial também estão crescendo cada vez mais nos últimos anos. Segundo a Associação Comercial de São Paulo, a oferta de crédito fácil e o aumento dos salários, dos empregos e da confiança do consumidor têm permitido a expansão desses setores. Só para se ter uma ideia, as vendas do comércio varejista fecharam 2010 com crescimento de 10,9% sobre 2009, e poderão atingir taxa de expansão de 6,5% em 2011. O volume de vendas do varejo brasileiro também cresceu em quase todas as 27 unidades da federação: a exceção foi o Amapá. Enquanto tivermos esse cenário, a tendência é que esses mercados atraiam mais e mais profissionais.

A nossa aposta também é no turismo, principalmente por conta da realização da Copa do Mundo em 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016.

Temos que ficar de olho nas tendências de mercado. Cada vez mais profissões vão surgir, criando um cenário bem eclético.

Texto original extraído no IG Carreiras.

O Grupo Quantum Assessment, desenvolveu  o Método Quantum, uma ferramenta  bastante eficaz para medir tendências de comportamento e apoiar seus clientes nos processos de  gestão estratégica de RH.

O Método Quantum detecta características de comportamento a partir das emoções primárias e oferece um panorama estratégico para as empresas, permitindo a clara identificação e planejamento de ações de desenvolvimento a serem adotadas para cada equipe e para cada colaborador, e viabilizando, assim, uma gestão do capital humano nas organizações com total embasamento técnico.

Os benefícios da aplicação do Método são evidenciados em toda a organização e posicionam as áreas de Recursos Humanos como agentes de mudança organizacional, em total alinhamento com os objetivos estratégicos das suas empresas.

A Quantum Corporate é a unidade de negócio do Grupo Quantum responsável pela comercialização do Método Quantum. São os Especialistas de Negócios Corporate que irão tirar as suas primeiras dúvidas, conhecer quais são as expectativas e oportunidades na área de gestão de pessoas que a sua empresa está vivenciando e elaborar o plano de utilização do Método Quantum mais adequado, com foco total no sucesso do seu projeto.

A importância da área de Recursos Humanos cresce à medida que a sua empresa também cresce. O Grupo Quantum tem soluções assertivas na área de gestão de pessoas. Conheça mais e descubra como é possível transformar ou aprimorar os negócios de sua empresa com total aderência de seus colaboradores! Para mais informações, ligue (11) 3709-3388.

A Chief Sales Executive, Ana Dávalos, da Quantum Corporate, área responsável pela comercialização do Método Quantum conversou com a redação do portal para explicar com detalhes as dúvidas que a maioria das empresas possuem antes de contratar as soluções de Recursos Humanos e Gestão de Pessoas do Método Quantum.

Na entrevista, Ana Dávalos conta como as empresas utilizam o Método Quantum , como a ferramenta pode ajudar a área de gestão de pessoas e as impressões de quem já usa. Confira:

Como o Método Quantum pode ajudar a área de gestão de pessoas?

Resp.: O Método Quantum é uma “ ferramenta de trabalho” para as áreas e profissionais de gestão de pessoas, cujo principal objetivo é facilitar processos de Recrutamento e Seleção, Desenvolvimento de Equipes, Avaliação de Desempenho de Equipes, Clima Organizacional, Desenvolvimento de Carreiras e Preparação de Sucessores, Mapeamentos de Performances e todas as demais aplicações relacionadas a tendências de comportamento, competências e desempenho, de forma prática, e com um altíssimo grau de assertividade.

Colocar as pessoas certas no lugar certo, garantindo total aderência das competências de cada colaborador ao cargo que ocupa e às atribuições deste, numa organização, assim como a manutenção da motivação e do desempenho superior de times de trabalho é um dos maiores desafios de gestores e áreas de Recursos Humanos. O Método Quantum, em essência, é uma ferramenta que auxilia na viabilização deste desafio, com o embasamento técnico e o suporte para as demandas estratégicas de Recursos Humanos.

Quando uma empresa procura pelo Método Quantum, quais são os problemas que ela busca solução?

Resp.: Cada vez mais, as empresas buscam ganhar agilidade em suas atividades, assertividade nos seus processos, produtividade nas suas atribuições com eliminação do re-trabalho e redução de custos com reposição de pessoal.

O Método Quantum é impar, porque foi concebido para atender às todas estas necessidades, ou seja, além de ser uma ferramenta de autoconhecimento e desenvolvimento humano, foi pensado para atender às necessidades de negócio das organizações, ganhando uma amplitude ainda maior na sua aplicação.

Já houve casos em que a empresa pensava que o Método Quantum servia apenas para processo de seleção e acabou utilizando para outras atividades da empresa?

Resp.: Cada empresa tem seu histórico e seu processo de desenvolvimento e por isso, apoiamos nossos clientes na identificação da melhor aplicação do Método Quantum, conforme sua necessidade. Planejamos e monitoramos a utilização da ferramenta junto a nossos clientes, pois nosso objetivo é de que o Método Quantum seja utilizado em todo o seu potencial e que nossos clientes vivenciem no dia a dia os ganhos desta utilização. Temos uma estrutura totalmente dedicada e cuja missão é apoiar nossos clientes nesta utilização.

Qual é geralmente o feedback das empresas que utilizam o Método Quantum?

Resp.: O melhor possível. O caminho que escolhemos para garantir que o Método Quantum esteja atualizado e adequado às necessidades de nossos clientes e à dinâmica de mercado, foi o de um lado, a Pesquisa e Desenvolvimento contínuos que ocorre por meio do Lab (Laboratório Quantum) e na outra ponta, a proximidade com nossos clientes, num conceito de prontidão às suas necessidades, lado a lado, com foco na gestão de serviços de qualidade e simplificação de processos, garantindo a satisfação dos nossos clientes. Esta condição hoje é um diferencial e um valor de grande significado em nossa Companhia.

Existe um tipo específico de empresas que o Método Quantum pode ser aplicado ou independe do porte ou da área de atuação dela?

Resp.: O Método Quantum tem ampla aplicabilidade, independentemente do tamanho da empresa. É dedicado a cada um e ao conjunto, ou seja, pode ser adequado à cada organização, conforme a sua necessidade, demanda, ou construção de uma visão futura.

Os tempos estão cada vez mais difíceis. A competição acirrada aliada à Globalização obriga as empresas a tomar decisões rápidas, porém, nem sempre adequadas. Uma das primeiras medidas que algumas empresas tomam é diminuir o gasto em treinamento e desenvolvimento esperando retorná-los mais tarde, quando as coisas começarem a melhorar. Porém, a lição de casa precisa ser feita, e a empresa que implanta uma base de valores sólida e consistente consegue manter os empregados e ainda sair na frente dos concorrentes.

Como fazer isso? Bem, vamos começar com uma definição simples do Endomarketing. “...ações de Marketing para o público interno – FUNCIONÁRIOS – das empresas e organizações” (Bekin, 1995: XVII).

O grande desafio do Endomarketing é proporcionar aos empregados uma condição de aplicação de valores como: transparência, empatia, afetividade, comprometimento e cooperação, transformando esses valores em crescimento e desenvolvimento dos empregados, e conseqüentemente, em ganhos de produtividade.

Avaliando grandes empresas que implantaram o processo de Endomarketing (mesmo implantando parte do processo), observamos que os ganhos de produtividade foram enormes. Basta verificar no “Guia das melhores empresas do Brasil para você trabalhar”, da Revista Exame. Comparando os dados atuais das empresas com os dados de anos anteriores, podemos identificar grandes mudanças, mas, se verificarmos com mais profundidade e acompanharmos as empresas, notaremos o quê realmente mudou. A comunicação ficou mais clara, os empregados têm mais liberdade para expor suas idéias, os níveis hierárquicos foram simplificados e os empregados chegam a seus gerentes com mais facilidade.

A horizontalização chegou, e com isso, os empregados sentem-se mais seguros para tomar atitudes, pois conhecem muito mais a empresa que trabalham, a missão, visão, enfim, estão mais preparados para fazer a empresa crescer e a empresa também está preparada para permitir o crescimento e desenvolvimento de seus empregados, agora chamados com orgulho, de colaboradores.

O conhecimento do nível de escolaridade dos empregados e da cultura da empresa permite buscar e promover treinamentos que serão mais aproveitados pelos empregados, traduzindo em ganho de produtividade. Isso é um dos pilares do Endomarketing. Conhecer os valores dos empregados, respeitar a cultura da empresa, proporcionar um bem estar geral que condicione a um nível de satisfação e motivação e ainda, se transforme em ganhos reais de produtividade.

Melhorar o nível de escolaridade, treinar, diminuir o turn over, promover melhorias na comunicação interna e externa, incentivar os empregados a produzir trabalhos que reduzam custos e ainda manter os empregados satisfeitos é uma tarefa muito difícil para as empresas, mas, se o trabalho for levado a sério, partir da diretoria e contaminar os empregados de menor escalão, os ganhos serão enormes a médio e longo prazo.

O processo de implantação e consolidação do Endomarketing requer persistência, apoio do pessoal da área de Recursos Humanos, Marketing, Operacional, e, acima de tudo, da Diretoria. Os ganhos são imediatos, mas os resultados operacionais virão a partir do segundo ano de implantação. O gerenciamento do processo deve ser constante e os ajustes devem ser imediatos, para coibir falhas futuras. Um grupo deve coordenar o processo e formar multiplicadores nas diversas áreas da empresa, avaliando e implementando melhorias de acordo com a necessidade de cada área. O processo deve ser feito em etapas, e a cada etapa, o programa deve ser reavaliado para então continuar na etapa seguinte. Alguns programas de primeira etapa poderão ser consolidados na etapa seguinte, mas devem estar em andamento.

Vale ressaltar que, após a implantação da base de valores e consolidação do processo de endomarketing, todos os programas de melhorias operacionais ficarão mais fáceis de implantar, porque os empregados já estarão mais comprometidos com os resultados da empresa; e nessa etapa começam a aparecer os resultados concretos e visíveis pela Diretoria. Os custos de fabricação tendem a cair, pois cada empregado estará comprometido em promover melhorias operacionais, que gerarão redução de custos, e, cada redução no custo de produção pode gerar mais lucros para a empresa.

As empresas no Brasil deveriam conhecer mais o processo de endomarketing e suas etapas de implantação, para depois, implantarem programas de qualidade e melhorias operacionais. O desconhecimento das etapas de implantação pode fazer todo o processo fracassar, e a empresa perder a credibilidade junto aos seus colaboradores.

Um acompanhamento de todo o processo por um grupo de colaboradores das diversas áreas da empresa proporcionará um conhecimento profundo das reais necessidades dessas áreas e ajudará a traçar o planejamento e gerenciamento do processo de Endomarketing.

Quando o marketing interno é bem feito, o marketing externo será muito mais abrangente. Basta perceber o que os empregados dizem das empresas classificadas pela revista Exame como melhores empresas no Brasil para se trabalhar. Se cada empregado for multiplicador da boa imagem da empresa, os produtos fabricados por ela também serão bem aceitos pelos seus clientes.

Texto de José Geraldo Gaurink Diasno IFD Blog.

Toda sexta-feira é a mesma história: o escritório mais parece um paredão do BBB porque todo mundo fica aguardando qual o próximo a ser demitido pela empresa. O clima no ambiente de trabalho não pode ser pior. Mas por que isso acontece?

A rotatividade ou turn-over como prefere alguns Recursos Humanos é provocado por vários fatores, mas o principal deles é a falta de planejamento no processo de recrutamento e seleção.

Muitas empresas pecam na parte óbvia do processo. Por exemplo, antes de abrir a vaga, a empresa precisa estar preparada para receber o futuro colaborador, isto é, organizar o suporte necessário (linha telefônica, computador, mesa, celular etc) para que o profissional desenvolva a sua função com todo o potencial.

A remuneração adequada também é um fator importante que ajuda a diminuir a rotatividade. Os candidatos mais bem preparados geralmente fazem questão de ganharem salários justos com a função que irão desempenhar.

Por fim, de nada adianta apresentar as condições ideais se não há um critério para avaliação de desempenho. O profissional exerce sua função, mas nem seu gerente, nem o recursos humanos sabe se ele está perfomando além ou aquém do esperado. O Método Quantum é um assessment de perfil profissional utilizado para avaliar os resultados e o desempenho da equipe, bem como melhorar o processo de seleção. O Quantum Corporate é a área responsável por passar todas as informações e tirar as dúvidas sobre o Método Quantum.

Aliás, é muito importante contratar certo para a sua empresa alavancar projetos, dar andamento nas metas e conseguir atingir os resultados planejados. Ao contratar certo sua empresa também diminui consideravelmente os gastos de contratação e demissão, além de melhorar o clima organizacional.

Para mais informações, entre em contato com o Quantum Corporate pelo telefone (11) 3709-3388.

Mais que qualquer departamento, o Recursos Humanos de uma empresa sabe o trabalho que dá para encontrar um profissional que atenda as exigências de uma vaga aberta. Passada esta fase, tem o período de adaptação, isto é, hora de analisar se os atributos do currículo são postos em prática no desenvolvimento da função.

Aí, que começam a surgir os primeiros problemas: o profissional tem qualificação, mas se encontra numa colocação que não está rendendo o esperado. De quem é a culpa? Do RH que não selecionou direito? Do profissional que mentiu na hora da entrevista para atuar em uma área que não é a sua para depois conseguir transferência na vaga certa? Do gerente da área que não soube transmitir com clareza os requisitos da vaga?

Antes de começar a caça às bruxas, é preciso analisar o processo de seleção e recrutamento. Como está sendo tratada a questão do perfil comportamental dos candidatos? Existe uma ideia clara do tipo de profissional que se deseja para aquele cargo que está em aberto? São perguntas que precisam estar muito bem respondidas antes de começar o processo de seleção.

O Método Quantum é a ferramenta de assessment (avaliação) que permite encontrar com assertividade o candidato mais apropriado para uma vaga aberta. Primeiro, se arquiteta o perfil desejado por meio da Engenharia de Função. Com o perfil desenhado, é possível comparar os perfis dos entrevistados e selecionar apenas os mais parecidos com o desejado.

Se você conta com bons profissionais na sua empresa, mas estão em cargos errados, é possível realocá-los nas posições certas. O Método Quantum identifica as características mais relevantes dos profissionais e sugere áreas de atuação dependendo dessas características, tais como, liderança, trabalho em equipe, nível de formalidade, habilidade de comunicação, entre outros.

São inúmeras as utilidades do Método Quantum para sua empresa escolher melhor os profissionais. Além disso, representa economia no processo de contratação e demissão e aumento de produtividade ao colocar o profissional certo na função apropriada.

Consulte a Quantum Corporate para viabilizar o Método Quantum na sua empresa. Mais informações, ligue (11) 3709-3388.